Um pouco mais sobre o diploma

Vamos estender a discussão. Segue abaixo ótimo texto indicado por Alec Duarte, da Folha de São Paulo. O texto é da jornalista Ana Estela de Sousa Pinto, também da Folha. Editei para publicá-lo aqui. Vale a pena ler, segue:

Diploma não serve pra nada; o que importa é a formação

Vamos supor que no mês que vem o Supremo derrube o diploma obrigatório.
Isso quer dizer que os jornais vão preferir contratar quem não cursou jornalismo?
(…) nada vai mudar de uma hora para a outra.
Até porque, (…) ponha-se na pele do editor que está contratando: a não ser que seu jornal tenha uma estrutura de treinamento ou você esteja disposto a ensinar o beabá para sua nova “aquisição”, dificilmente vai preferir –dentre dois candidatos com a mesmo nível– o que não cursou jornalismo.
Isso não quer dizer que o diploma, em si, signifique algo. O que importa é a formação das pessoas. O que elas se mostram capazes de fazer. E o editor vai avaliar isso com um teste, uma entrevista, pela experiência prévia do sujeito ou por indicações (sim, é por isso que indicações funcionam: porque o cara tem algum indício a mais sobre a capacidade do candidato).
Vou repetir aqui: só empresas e editores muito burros querem contratar gente ruim para poder pagar menos. É dar tiro no pé. O que todo mundo quer é encontrar os garotos mais inteligentes, mais talentosos, mais interessados e com mais jeito pra coisa e vê-los brilhar, dar furos, ter novas e boas ideias, ousar, fazer barulho.
A maioria absoluta desses garotos está na faculdade de jornalismo hoje –até por uma questão de afinidade, de gosto pela profissão (tem gosto pra tudo, né?…).

Anúncios

Um comentário sobre “Um pouco mais sobre o diploma

  1. Não vejo outra possibilidade de o diploma ser valorizado se não for através da obrigatoriedade do canudo para o exercício da profissão!
    Mesmo concordando com boa parte das observações feitas pela Ana Estela, de certa forma, a não-obrigatoriedade banaliza um pouco o exercício do jornalismo. Qualquer pessoa alfabetizada pode requerer o registro para trabalhar na área (não sei se continua, mas era assim há alguns anos)…
    Na Folha, a Elvira Lobato é favorável à exigência do diploma. Pedi a Ana que disponibilizasse opiniões de jornalistas (da Folha) que defendem a obrigatoriedade, já que ela nunca fez isso no blog (pelo menos eu não vi). Vamos ver…
    O dono do jornal, Otávio Frias Filho, é um ferrenho defensor da não-exigência da formação superior.
    Não sei até que ponto o posicionamento dele influencia os jornalistas da Folha.
    PS: Gostei de ver que você corrigiu o “extender”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s