O que mudou para o jornalista?

A equipe da CNN do Brasil está fazendo um trabalho interessante no seu blog. Esses dias, foi a minha vez de bater um papo com eles. A pergunta feita foi a seguinte: A tecnologia mudou o jornalista?

Segue a minha resposta:

Nesse domingo (3/5/2009), em entrevista exclusiva ao jornal O Estado de São Paulo, Gay Talese, mestre do jornalismo literário, disse a seguinte frase quando questionado sobre as novas tecnologias: “Trabalho basicamente como há 50 anos. (…) Saio com uma caneta o tempo todo, anoto umas coisas. Quando termino a apuração, ainda uso a máquina de escrever”.Gay Talese é o autor do perfil mais famoso da imprensa americana: Frank Sinatra está Resfriado, publicado na revista Esquire, de 1966.

O jornalista é referência para qualquer profissional da área pela riqueza da sua apuração e preocupação com a fidelidade com os fatos. Ler que o escritor ainda usa máquina de escrever é estar convicto de que para ele, a tecnologia não tem lá muita importância. Mas afinal, a tecnologia mudou o jornalista?A tecnologia definitivamente veio para auxiliar o jornalista. E talvez até por isso, gerar mais trabalho.

É difícil imaginar hoje, um jornalista do tempo da web 2.0 (ou 3.0), com três matérias para fechar, preferir digitar nas barulhentas máquinas de escrever, borrando as mãos e torcendo para terminar o texto sem muitos erros. Com o computador, o profissional conseguiu elaborar os seus textos com mais facilidade e como conseqüência ter tempo de realizar mais tarefas.A internet também veio para facilitar a vida deste profissional. No entanto é inegável dizer que ela o deixou mais preguiçoso. Suas ferramentas, como o Google, deveriam apenas somar na apuração e não substituir.

Checar a informação, consultar as fontes e trabalhar com ética são princípios que não podem ser deixados de lado na era da tecnologia.Outro ponto importante de se discutir é a do novo profissional que surgiu após o auge da tecnologia: o jornalista multimídia – aquele que escreve para um jornal, grava reportagens em vídeo, edita, posta na rede e divulga para sites e redes sociais. Afinal, é essencial que os jornalistas saibam fazer tudo isso? Quem tiver habilidade para tal, é essencial fazê-lo, já que esta é uma oportunidade de veicular a informação em diferentes formatos e disponibilizá-la para mais pessoas.

Nós não temos que temer a tecnologia, ela foi incorporada a nossa profissão e o melhor a fazer, é usufruirmos ao máximo o que ela pode nos oferecer.E quanto ao Gay Talese, citado no começo deste texto? É difícil para nós, jovens jornalistas, trabalharmos em uma máquina de escrever, mas é compreensível que Talese não acredite que as ferramentas tecnológicas influenciem na qualidade do seu trabalho. Afinal, como já dito nesse texto, a tecnologia veio para auxiliar; e não para mudar a informação. Esta, mesmo com a internet, não deixará jamais de ser apurada como sempre foi: por meio de pesquisas, conversas com fontes e muitas checagens.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s