A história de minha irmã e eu

Quando ainda morava em uma pensão aqui em São Paulo com a minha irmã, lembro de uma vez ela me dizer que aquela época jamais se repetiria. Naquele tempo, ela se referia a nós morando juntas.

Mudar para São Paulo só foi possível pela minha irmã, disso eu tenho certeza. No primeiro ano da faculdade, enquanto eu andava cheia de dúvidas quanto a ficar em Araçatuba ou me arriscar na paulicéia, minha irmã foi  mãe, amiga, chata, briguenta e tudo que eu sempre tenho saudades.

Lembro-me que passava uma novela do Miguel Falabela, que não ficou muito famosa mas que para nós era o melhor folhetim do mundo. Wagner Moura fazia par romântico com Adriana Esteves. Ele ainda não tinha essa fama toda, mas já mostrava um quê especial para quem conseguia perceber. O fato é todas as vezes que eles se olhavam, tocava uma música do Hebert Vianna chamada Por quê não eu?, e nós suspirávamos já que sem dizer nada, sabíamos que aquela era a melhor hora do dia.

Minha irmã é do tipo que faz sopa se estou doente e recomenda desligar o computador se tenho insônia. Ela não gosta de sapatos na sala, e irrita-se quando eu falo ao telefone enquanto ela assiste televisão.

Quando nos mudamos para um apartamento há alguns poucos anos, ela retornou a dizer que aquela época jamais se repetiria. E nós assim, tão diferentes, às vezes me pergunto como moramos tanto tempo juntas. Sagitário e Peixes certamente não são ascendentes nem se trombam na Lua. Mas eles se dão bem, se entedem e sentem a falta um do outro.

Minha irmã  irá se casar e a nossa época não irá se repetir, é fácil de entender.  Amor de irmã é auto explicativo e de uma amizade que nenhuma amiga consegue substituir.

Seis anos juntas, aprendizado para todos os meus anos. Morar sozinha com ela era estar em família.
Hoje, morar sozinha e sentí-la ao meu lado.  É acertar a quantidade de Nescafé na xícara, evitar o uso de adoçantes nos sucos e comer nas horas certas  sem muito sal. É parar de assistir séries de terror à noite ou me preocupar com o trabalho do dia seguinte.

Agora que ela irá se mudar, estar com ela é saber que onde quer que ela esteja, a gente vai se lembrar.

Anúncios

5 comentários sobre “A história de minha irmã e eu

  1. Beleza,

    Bom, você sabe que sou chorona e choro na maioria dos seus posts, mas este chorei ainda mais. Nunca te disse isto, mas eu ter ficado tantos anos em sampa também não teria sido possível se não fosse você. Com uma irmã por perto os desabafos são mais verdadeiros, as risadas mais gostosas e sempre sentimos uma segurança, que muitas vezes só possível na casa dos nossos pais. Hoje, apesar de eu ainda continuar meio careta, briguenta e querendo organizar tudo, aprendi com você que no final do dia o que vale mesmo é uma boa história, um chopinho e uma pizza as sextas-feiras. Não deu para escrever na corrente, mas vou escrever aqui: você é “Uma BELEZA de VIDA”.

  2. Algo me dizia que este casamento ia render uma boa crônica! Muito legal ver a relação de vocês! Mais uma vez, parabéns, Clarinha!Bjos

  3. Aii,meu Deus!

    Que lindo!

    Vc não sabe o aperto que o desfecho desse texto me deu na alma…!

    Ficou triste,bonito,angustiante…

    Tive uma overdose de sentimentos múltiplos agora…

    Talvez seja só saudade de uma irmã que eu não tive.

    Adorei!

    Bjinhos***

  4. Clarinha ,
    Realmente voce e a Natali, foram guerreiras em irem sozinhas para São Paulo , esta homenagem que vc fez a ela é muito linda e mostra o quanto ela foi importante no seu inicio de carreira . agora vc ja esta mais que preparada ..
    grande beijo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s