A indiferença da bandeira

Uma das imagens que eu mais gosto de ver em São Paulo é a bandeira do Brasil se debatendo em mastros espalhados pela cidade.

Melhor é ver essa cena ao sair de algum túnel de carros da cidade. A sensação é serena. Uma luz escura, que recobre o barulho de carros, dura longos segundos e nos leva a um claro e azul do céu que só se movimenta pela bandeira. Verde e independente. Cheia de si.

Ferreira Gular, o poeta, é autor do poema mais sincero que já li sobre aquilo que não podemos controlar. Ele fala de sua tristeza pela morte de Clarice Lispector e em como isso não alterou a rotina da natureza e das coisas ao seu redor.

Morte de Clarice Lispector

Enquanto te enterravam no cemitério judeu
de S. Francisco Xavier
(e o clarão de teu olhar soterrado
resistindo ainda)
o táxi corria comigo à borda da Lagoa
na direção de Botafogo
.
E as pedras e as nuvens e as árvores
no vento
mostravam alegremente
que não dependem de nós.

Engraçado pensar que a natureza não para com as  nossas desventuras e aflições. Nem as pedras, nem as árvores ou o vento, nem a bandeira repleta de autonomia e descrição. Coisas de bem ou de infortúnio acontecem em nossas vidas a todo momento. Para o resto, isso não é suficiente.

Anúncios

2 comentários sobre “A indiferença da bandeira

  1. A melhor de todas as frases lida até hoje:

    “Coisas de bem ou de infortúnio acontecem em nossas vidas a todo momento”

    A mais pura verdade!

    Sou fã!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s