notas

deitei a cabeça no travesseiro e resolvi ir até a quarta-série. me pareceu aconchegante.  | saí correndo com alguns amigos no corredor, inventei a próxima peça de teatro. não senti dores. escutei risadas muito altas. era comum gargalharmos naquela época. compramos dadinhos para comer no intervalo. refrigerante em sacos plásticos. puxamos a manga do moletom para que ele acobertasse as mãos. e trocamos de sonhos como quem troca de calçada.| peguei no sono.


dos momentos mais generosos que me ocorreram.
minha mãe vindo até meu quarto me perguntar como fazia para eu ser feliz de novo, já que ela se sentia responsável por ter me colocado nesse mundo. oras, como ela poderia ter inventado uma pessoa e agora deixá-la sem a felicidade desabando na cabeça.
foi um abraço. sim. alguém me dizer que eu não sou a única preocupada em me fazer feliz dia e noite. tem alguém comigo nesta.


me perguntaram qual é o meu diretor favorito, e eu não tenho.
como é que pode alguém que trabalha com vídeos não ter um diretor favorito.
não, não tenho.
tenho filmes, dos quais gosto mundo. dos quais poderíamos passar a noite falando. mas não me peça um único diretor porque é muito limitador crescermos com a premissa de que aos 30 temos tudo definido. a melhor viagem, a bebida preferida, a estação mais esperada, o lugar favorito. não tenho. porque muitas coisas já se passaram por aqui e eu não quero fechar esse ciclo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s