convém aproximar bocas conhecidas

e que memorizam o caminho de casa para nos acompanharem a pé.
que não deixarão jamais, nem por uma fatalidade, de enviar mensagens ao longo do dia.
– você está bem / está ouvindo minha saudade / está com fome / está por aí?

bocas que já sabem a história da nossa vida. que 2017 não foi tão bom. e que 2018 vai fazer mais sentido a partir de agora.
que gostam do quanto improvisamos no assunto que seja. china. tesouro direto. x-men.

as bocas novas impressionam. se envaidecem. são curiosas.
mas as conhecidas. ah, as conhecidas. são as que nos carregam no colo.
experimentam o vinho na nossa taça, conhecem nosso gosto de ficar por oras em livrarias e supermercados, escolhendo livros e produtos que por vezes não são comprados.

que já entendem que à noite o traje é moletom. dos mais gostosos e confortáveis.
que a especialidade é macarrão e ovo com gema mole.
e que o pão francês aos sábados e domingos vem com manteiga aviação.

bocas que já se viram não precisam esperar. porque eu não tenho mais paciência. desculpa.
desejo que todas as bocas novas venham carregadas com a trajetória das antigas.
com os beijos que não são à toa. que caminham para um cinema. para as rotinas preferidas. para os clichês.

convém amar, diria hilda hilst.
convém amar bocas conhecidas, diria eu.

Deixe uma resposta