Porquê escolhi o jornalismo

Eu sempre me lembro porquê escolhi fazer jornalismo quando entrevisto personagens como a Luciana do vídeo. É por isso, é tanto por isso – para conhecer pessoas fantásticas com ideias, pensamentos e projetos emocionantes. Este é, de longe, um dos vídeos que eu mais gostei de fazer. Obrigada.

Espero muito que vocês gostem, também.

ps: no player do vídeo, mude a qualidade para 1080p, que a imagem fica ainda mais bonita.

apê.ritivos – episódio 4


Qual é a sensação de se fazer algo com um amor incondicional? Que te faz pensar: ” é  isso! sinceramente é isso”. Isso é o que o apê.ritivos faz comigo – é essa sensação, uma história com comidinhas, conversas e música que se transforma em uma poesia visual que nos faz querer vivenciar isso o dia todo.

É uma paz de saber que pessoas estão sendo tocadas, sensibilizadas e que isso será eterno, ficará para sempre como um projeto de dois amigos que começaram isso tudo com a intenção de serem felizes e de fazerem com que outras pessoas sentissem o mesmo.

Sério! Puxa!
Obrigada a vocês que compartilharam esse episódio com os amigos e que não só fizerem isso como deixaram mensagens no facebook, twitter e email dizendo que se sentiram entusiasmados e fazendo parte da nossa história. Obrigada a vocês que mostraram aos seus familiares, namorados, primos, para a pessoa da cadeira ao lado. Que assistiram juntos com os colegas do trabalho no mesmo computador. O apê não teria graça se não fosse o que vocês proporcionam a cada episódio divulgado.

A gente faz daqui, vocês potencializam daí.
É tudo muito emocionante e sou grata por isso, obrigada.

por que é tão bom fazer vídeos?

Em um texto você fica a imaginar quais são as sensações, os cheiros, o cabelo da personagem e se põe a pensar também como seria o rosto dela, as botas, a voz que por vezes gagueja. Como deve ser tudo isso misturado com a doçura de uma arquiteta que vive exatamente da maneira como quer? No vídeo abaixo, você nem precisa se esforçar para imaginar como seria tudo isso. Você só precisa assistir. O gostinho que vai ficar faltando é o de tomar um café com ela, bem ali no jardim.

estou emocionada.

Uma amiga querida, Manuela, disse-me esses dias que eu e o Gabriel somos muito corajosos em abrir a casa e o coração para contarmos uma história. esta foi a definição mais bonita que deram ao apê.ritivos, nosso novo projeto.

estou tão emocionada. feliz. Mais de 800 pessoas compartilharam o link do primeiro episódio no facebook e outras tantas mandaram palavras de beleza, conforto e emoção.

obrigada. estamos no comecinho e receber tantos abraços como esses é o mais reconfortante retorno que poderíamos esperar. me sinto cheia de amor com os pitacos, sugestões e com a forma como cada um experimenta o programa e tem vontade de estar ali com a gente.

vocês estão e estarão em todos.

obrigada ao Flávio Rocha e ao Rogério Assis pelas imagens tão lindas. obrigada ao Roman Lindemann por fazer mágica ao ajudar na conversão dos arquivos de vídeo. obrigada a Letícia Pires que, como ninguém, captou a sensibilidade do projeto e criou a arte para o logo e descrição. obrigada a vocês amigos que todos os dias tem repassado o apê.ritivos para os familiares, amigos e tantos outros que replicam a nossa vontade de juntar saudade, conversa, receitas e um apartamento.

estou (profundamente) emocionada. obrigada.

as canções


Eduardo Coutinho, muito obrigada.

Eu tenho algumas músicas minhas, feitas por outros cantores, mas que são minhas, apenas minhas. E eu me lembro, respiro, me faço saudosista. Eu posso cantá-las agora, inteiras, e me vou para lá. Para aqueles tantos lugares que me trouxeram dia, noite e tudo o quê você já sabe. o quê todo mundo sabe – onde as canções conseguem nos levar.

Coutinho, obrigada.
Um filme que se chama “as canções” e não traz nenhuma trilha sonora, apenas as vozes, os gaguejos e as histórias de pessoas que choram, amam e apenas amam. como uma música sempre deve ser. de amor. e repetidamente dele.

Obrigada.
essa miudez de cada personagem ao cantarolar e explicar o por que de tanta lembrança em melodias que existem por aí me deixa extasiada. eu gosto tanto disso, como a gente ainda não percebeu que o simples é o que mais coisas pode nos oferecer.

eu vou cantar também. quero dizer. elas me falam tanto, a todo momento. esse desafino dos cantores da vida, uma sinceridade cheia de beleza.
me sinto mais forte. mais frágil. uma canção.

* No vídeo o trailer de “As Canções”, de Eduardo Coutinho, exibido na Mostra Internacional de Cinema. Histórias de amor marcadas por letra, música e detalhes.

apê.ritivos


eu moro em são paulo há sete anos.
o gabriel saiu de pirassununga há quatro.

há poucos meses a gente resolveu se juntar para contar uma história. o nosso capricho é dividir receitas, vivências, ansiedades, energias e saudades que reunimos depois de tanto tempo longe da família e de nossas cidades do interior.

é com muita alegria que divido com vocês o começo desse novo projeto. em breve, vocês vão conhecer o apê.ritivos, gravado no meu apartamento em são paulo.

por ora, dêem uma espiada aqui na nossa comunidade do facebook. curtam, aproveitem e sejam bem-vindos.

A fantástica chuva de pétalas

Eu já falara em um post anterior sobre a viagem que fiz para Holambra na festa das flores, que acontece 1 vez por ano lá. Hoje venho trazer o vídeo que finalizei ainda agorinha. Emoções, pulos e gritaria na ocasião – que faz chover milhares de pétalas sobre o público. Quem conseguir pegar uma delas antes que caia no chão, tem todos os seus sonhos realizados.

para quem gosta do que faz

O melhor de ser jornalista é entrevistar pessoas apaixonadas pelo o que fazem. Apaixonadas é uma boa palavra quando se fala de Rejane Cantoni, Leonardo Crescenti e Marcelo Pontes. Eles colocam ideias fantásticas, quase impossíveis, nas ruas de cidades do mundo todo. E para elas darem certo, eles têm que gostar.


O trabalho ocupa tanto tempo das horas, do esforço e do pensar que para a vida dar certo, você também tem se apaixonar por ele e oferecer o melhor que você puder.

a melhor coisa do mundo.

EAT from Rick Mereki on Vimeo.

Três amigos viajam pelo mundo captando tudo o que comem, bebem e experimentam. Recebi este link no meio do trabalho e fiquei tão entusiasmada com o vídeo que não o tirei da cabeça o dia todo. Viajar e registrar toda essa vontade de viver e provar em belas imagens. Tem coisa melhor do que isso?

só de assistir eu já quero ir viajar.

vamos?

* Aumentem a tela na hora de assistir, é melhor. A dica foi dada pelo querido amigo Caio Nunes Cardoso. 

Crônica de imagens

É quem é que disse que crônicas são construídas apenas por palavras? Esta abaixo, que acabei de finalizar, é feita de imagens, sons, frio, verde, vinho e pessoas. Eu gosto, dá vontade de viver tudo novamente.

*captação feita em julho de 2011 / Santa Catarina (São Joaquim e Florianópolis)

Vídeos para a web

A todo momento questiona-se o estilo de vídeo para web. Ao mesmo tempo, eu me questiono se esse novo formato existe. Afinal, algo que não pode ser como TV mas que também não pode fugir do estilo de contar uma história com começo, meio e fim, seria o quê?
Até hoje ainda não encontraram o formato da reportagem para a web. O que se sabe até agora é que a duração do vídeo tem que ser curta, afinal, os internautas navegam com dez janelas abertas ao mesmo tempo e um vídeo de 15 minutos não tem espaço na rede.

Esses dias encontrei um que acredito ser muito próximo de um bom formato para a web, o que não impossibilitaria a sua exibição em uma TV.

Descobri o achado no twitter do @riqfreire, turisma profissional que escreve para o Guia do Estadão e revistas de viagens. Ele fez uma série para o site hoteis.com e o resultado é muito interessante. Há um cuidado na sua realização que não se vê em vídeos para a web.

O uso de filtros nas imagens, colocados no próprio programa de edição dão um visual muito atraente. Além disso, a dinâmica do ‘contar a história’ é divertida, tem ritmo e não perde graça em nenhum momento.

Esta não é a única possibilidade para a web, mas é interessante, funciona e cativa.