Por que John Lennon acabou com os Beatles?

Pretensão, hein? Mas já que se ganha o leitor pelo título, me arrisco nesse e vou em frente.

A biografia do John Lennon foi o livro que mais demorei para ler em toda minha vida (até agora).
Ganhei de aniversário no ano passado e arrastei sua leitura por quase um ano passando livros e contos na frente da obra.

A demora não foi pelo tédio da história, muito bem narrada por Philip Norman que surpreende (em todos os momentos) pela riqueza de detalhes. Dá vontade mesmo de ler um livro só sobre os bastidores desse trabalho impressionante.

O fato é que eu estava ansiosíssima pela chegada da parte em que Lennon inicia a formação dos Beatles e enquanto esse trecho não se iniciava eu não o lia com tanta empolgação.

Nunca ouvi muito Beatles. A minha infância se deu mais por MPB do que por qualquer outra coisa. Meu pai não tinha a coleção do grupo em casa e apesar de conhecer muitas músicas deles, passei a me interessar mais por eles após ler a biografia do cantor e a partir daí gostar de pesquisar tudo sobre o assunto.

O fato é que eu sempre ouvi todo mundo o tempo todo se perguntando porque os Beatles acabaram. A biografia deixa clara que a vontade inicial partiu de Lennon e não acho que Yoko tenha tanto a ver com isso como falam.

O que me pareceu mesmo foi que Lennon se cansou. Um cansaço que parece impossível de acontecer quando se trata da euforia e sucesso que acompanhava os Beatles o tempo todo. Mas um cansaço que acontece com todas as pessoas em algum (ou alguns) momentos da vida.

Sabe a vontade de mudança? Aquela que chega dizendo – o seu tempo acabou!

Aquela que muita gente percebe mas finge que não vê. Ou até enxerga mas não tem para onde correr. Sabe quando a gente quer mudar? De música, de emprego, de casamento, de cidade.

John Lennon se cansou. Da gritaria, da banda, da mesmice. Por mais brilhante e sensacional que fosse para todos, era ele quem estava na história e só ele podia tomar as decisões sobre a sua vida.

A questão não se resume a isso pois Lennon não era um dos sujeitos mais compreensíveis que já existiu. Mas não acho que o fim do Beatles é tão complexa quanto parece. Pode ter sido apenas uma decisão, e só.