a festa das flores

Dei um pulo em Holambra no último fim de semana na famosa Expoflora, que acontece todos os anos na cidade. Tenho boas lembranças dessa festa, ia muito para lá no meu começo de São Paulo – e é sempre um feliz um encontro de pessoas, flores, danças e comidas holandesas. Algumas coisas só são possíveis de se ver por lá, como a orquídea azul e a chuva de pétalas – quando milhares e milhares de pétalas caem do céu sobre o público e prometem realizar os desejos, se você pegar um punhado delas antes de caírem ao chão. Uma beleza.

Tem mais fotos aqui.

Anúncios

nenhuma.

Onde comprar flores às dez da noite?

O moço do mercado já recolheu os vasos, a floricultura está fechada desde às seis e ninguém se importa com a sua procura. Nenhum girassol amarelo ou rosas vermelhas. Esta noite, aquela garrafa de vinho que você lavou para ser ocupada com um ramalhete, ficará vazia.

E como pode tanto descaso só porque escureceu? Nem na esquina da livraria encontram-se as belezas.
O shopping já está fechado e o cemitério da Dr. Arnaldo, que abriga vendedores de margaridas e cravos, está longe demais para você ir até lá.

Amanhã de manhã elas estarão disponíveis, vivas e prontas para serem levadas.
No semáforo, nos bares ou em qualquer quitanda de esquina, por 5 reais, já se farão bonitas.

Mas às dez da noite, esqueça.