De quem ela te faz lembrar?

Pearl Jam a lembrava do primeiro namorado. Fofo, colocava o CD no carro sempre que a pegava em casa. Depois ele virou um idiota e ela não ouviu mais nada da banda.

O segundo só gostava de Tim Maia e Jorge Ben. E até hoje ela não escuta nenhum som que lembre o samba-rock.
O terceiro, que durou só duas semanas, era Beatles. Penny Lane, Don’t Let Me Down, Let it be e Get Back não estão mais na lista de reprodução do seu ipod.

Já o Pedrinho era uma graça. Curtia Maria Rita, Vinícius e Toquinho. Droga, justo compositores de MPB, todos riscados do seu caderno de canções.

Ancelmo, que ficou só na paquera, deu um CD do Wallflowers e do James Morrison para conquistá-la. Funcionou. Mas ele saiu com outra antes de chamá-la para dançar. E assim ele se foi da sua vida como os dois grupos musicais.

Mas Jaime. Quanto bom gosto, Jaime. U2, The Swell Season, Semisonic, Jason Mraz e Eve 6. Após o término, no entanto, ela mal podia ouvir a introdução das músicas que já desligava o rádio. Você foi importante Jaime, não exija isso dela.

O que restava? Talvez sertanejo mas esse estilo era a cara do João. Previsível. Compôs uma de raíz especialmente para ela mas, foi só levar um fora que já atribuiu a letra a outra amiga do colégio. Patético.

Mais nada. As suas bandas preferidas já haviam sido gastas, ouvidas, cansadas com eles. Todos eles. E o que era bom virou nostálgico, difícil de aguentar.

– O que eu faço, pai? – seu confidente de todas as horas.

– Fácil. Neutralize todos os sons, bandas e cantores que você gosta e que em algum momento ouviu com os seus ex.Tente não definir os seus namorados por canções. Conserve-os longe das trilhas da sua vida. Guarde-os em seu pensamentos pelas boas fases, deixe as músicas fora disso. Liberte-as.

– E se eu não conseguir?

– Não ouça mais nada.

Anúncios

27

O dia 27 foi o dia em que eu dormi com algumas estrelas fosforescentes coladas na cama.

Há oito anos colei essas estrelas com a minha irmã. A mesma quantidade nas duas cabeceiras.
Depois de tanto tempo, elas ainda brilham e se gabam por serem as únicas a aparecerem na escuridão.

Falar sobre essas estrelas sempre foi assunto para ser comentado com a minha irmã. A noiva.
Dormir em Araçatuba implicava em falar sobre as bichinhas durante à noite com ela.
Como poderiam ainda estar ali, radiantes?

No dia 27, minha irmã deixou de dormir em casa.  Ela se casou.
E as estrelas brilharam apenas para mim.  E não receberam nenhum comentário.

Por um momento me vi descolando todas elas da madeira.
Como sozinhas poderiam causar tanta nostalgia?

A solução seria mudar o foco.
Ter tantas lembranças no dia 27 por causa de uma dúzia de estrelas valeria a pena apenas por uma coisa.
Vê-la tão feliz como a vi nessa data.

Segura e serena.
Mais radiante que qualquer estrela.